domingo, 19 de maio de 2013

Saindo sem pensar, Vivendo sem Viver e Voltando pra Casa !



Saindo sem pensar, Vivendo sem viver
e Voltando pra Casa ! Lc 15.01-32

A Parábola da ovelha e da dracma perdidas

Vers. 01 E Chegavam-se a ele todos os publicanos e pecadores para o ouvir.

Vers. 02 E os fariseus e os escribas murmuravam, dizendo: Este recebe pecadores, e come com eles.

Vers. 03 E ele lhes propôs esta parábola, dizendo :

Vers. 04 Que homem dentre vós, tendo cem ovelhas, e perdendo uma delas, não deixa no deserto as noventa e nove, e não vai após a perdida até que venha a achá-la?

Vers. 05 E achando-a, a põe sobre os seus ombros, gostoso;

Vers. 06 E, chegando a casa, convoca os amigos e vizinhos, dizendo-lhes: Alegrai-vos comigo, porque já achei a minha ovelha perdida.

Vers. 07 Digo-vos que assim haverá alegria no céu por um pecador que se arrepende, mais do que por noventa e nove justos que não necessitam de arrependimento.

Vers. 08 Ou qual a mulher que, tendo dez dracmas, se perder uma dracma, não acende a candeia, e varre a casa, e busca com diligência até a achar?

Vers. 09 E achando-a, convoca as amigas e vizinhas, dizendo: Alegrai-vos comigo, porque já achei a dracma perdida.

Vers. 10 Assim vos digo que há alegria diante dos anjos de Deus por um pecador que se arrepende.

A parábola do Filho Pródigo

Vers. 11 E disse: Um certo homem tinha dois filhos;

Vers. 12 E o mais moço deles disse ao pai: Pai, dá-me a parte dos bens que me pertence. E ele repartiu por eles a fazenda.

Vers. 13 E, poucos dias depois, o filho mais novo, ajuntando tudo, partiu para uma terra longínqua, e ali desperdiçou os seus bens, vivendo dissolutamente.

Vers. 14 E, havendo ele gastado tudo, houve naquela terra uma grande fome, e começou a padecer necessidades.

Vers. 15 E foi, e chegou-se a um dos cidadãos daquela terra, o qual o mandou para os seus campos, a apascentar porcos.

Vers. 16 E desejava encher o seu estômago com as bolotas que os porcos comiam, e ninguém lhe dava nada.

Vers. 17  E, tornando em si, disse: Quantos jornaleiros de meu pai têm abundância de pão, e eu aqui pereço de fome!

Vers. 18 Levantar-me-ei, e irei ter com meu pai, e dir-lhe-ei: Pai, pequei contra o céu e perante ti;

Vers. 19 Já não sou digno de ser chamado teu filho; faze-me como um dos teus jornaleiros.

Vers. 20 E, levantando-se, foi para seu pai; e, quando ainda estava longe, viu-o seu pai, e se moveu de íntima compaixão e, correndo, lançou-se-lhe ao pescoço e o beijou.

Vers. 21 E o filho lhe disse: Pai, pequei contra o céu e perante ti, e já não sou digno de ser chamado teu filho.

Vers. 22 Mas o pai disse aos seus servos: Trazei depressa a melhor roupa; e vesti-lho, e ponde-lhe um anel na mão, e alparcas nos pés;

Vers. 23 E trazei o bezerro cevado, e matai-o; e comamos, e alegremo-nos;

Vers. 24 Porque este meu filho estava morto, e reviveu, tinha-se perdido, e foi achado. E começaram a alegrar-se.

Vers. 25 E o seu filho mais velho estava no campo; e quando veio, e chegou perto de casa, ouviu a música e as danças.

Vers. 26 E, chamando um dos servos, perguntou-lhe que era aquilo.

Vers. 27 E ele lhe disse: Veio teu irmão; e teu pai matou o bezerro cevado, porque o recebeu são e salvo.

Vers. 28 Mas ele se indignou, e não queria entrar. E saindo o pai, instava com ele.

Vers 29 Mas, respondendo ele, disse ao pai: Eis que te sirvo há tantos anos, sem nunca transgredir o teu mandamento, e nunca me deste um cabrito para alegrar-me com os meus amigos;

Vers. 30 Vindo, porém, este teu filho, que desperdiçou os teus bens com as meretrizes, mataste-lhe o bezerro cevado.

Vers. 31 E ele lhe disse: Filho, tu sempre estás comigo, e todas as minhas coisas são tuas;

Vers. 32 Mas era justo alegrarmo-nos e folgarmos, porque este teu irmão estava morto, e reviveu; e tinha-se perdido, e foi achado.

Pródigo, significa = Pessoa que gasta tudo o que tem de maneira irresponsável, um tolo, um louco.

Esses dois textos são duas parábolas !

Parábola  é uma narrativa alegórica que envolve algum preceito de moral, alguma verdade importante. É quando se cria e conta uma história, com intenção de esclarecer alguma verdade prática até então desconhecida.

Na parábola da Dracma Perdida, é importante frisar, que :
Ø  A Dracma era uma moeda grega de prata, e correspondia ao salário de um dia de trabalho, o equivalente a um denário.
Ø  Os versículos 1 e 2 falam de 3 classes distintas de pessoas : Publicanos, Fariseus e Escribas
a)      Publicanos – Eram judeus que cobravam impostos para o governo romano. Eram desprezados por trabalhar para um dominador estrangeiro, e por serem geralmente, desonestos (Zaqueu e Mateus eram publicanos)

b)      Fariseus – Eram membros de um dos principais grupos religiosos dos judeus, que seguiam rigorosamente a Lei de Moisés e as tradições e os costumes dos antepassados. Acreditavam na ressurreição e na existência de seres celestiais (anjos). Os fariseus não se davam com os SADUCEUS, mas se uniam com eles para combater Jesus e os seus seguidores.

c)       Escribas – Eram homens que copiavam e interpretavam a Lei de Moisés. Criaram um sistema complicado de ensinamentos conhecido como “a tradição dos anciãos”. Jesus os censurou. Tiveram parte na morte de Jesus e perseguiram a igreja primitiva. Eram chamados também de doutores da Lei.
Ø  Jesus disse a eles da importância de cada pessoa para Deus, falando sobre a ovelha e a dracma  Versículos 03 ao 10, e conclui, dizendo :
Vers. 10 Assim vos digo que há alegria diante dos anjos de Deus por um pecador que se arrepende.

Saindo sem Pensar !

Vers. 11 E disse: Um certo homem tinha dois filhos;

Vers. 12 E o mais moço deles disse ao pai: Pai, dá-me a parte dos bens que me pertence. E ele repartiu por eles a fazenda.

Aquele moço surpreendentemente :
Ø  Se cansou de sua casa apesar de ter tudo ao seu dispor
Ø  Decidiu largar o convívio familiar, o conforto, a segurança, os privilégios, e sair dissolutamente
Ø  Teve uma idéia vaga do que seria sua vida distante de casa, e acreditou naquela louca imaginação

Era um moço insatisfeito, inquieto, inconseqüente :
Ø  O caminho da saída começa quase sempre com algum tipo de insatisfação
Ø  O caminho da fuga começa quase sempre com insubordinação
Ø  O caminho da busca pelo desconhecido começa quase sempre com desobediência

a)      O pai já não era a figura na qual ele e se espelhava
b)      A casa deixou de ser interessante, passando a ser atraente tudo o que ele não conhecia
c)       A herança que era sua por direito e no tempo certo, ele cobrou, exigiu de uma só vez, sem nenhum preparo para administrar tanto

As vezes estamos de saída para o lado errado, sem nos aperceber :
Ø  Agindo como se o pai não existisse em nossa vida
Ø  Priorizando as coisas de fora, em detrimento do que temos em nossa casa
Ø  Querendo tudo hoje, quando o pai sabe que só deve liberar no tempo certo

Obs : O Pai nessa parábola, é uma tipologia de Cristo.

Ser Filho implica em ser :
Ø  Obediente
Ø  Submisso
Ø  Atencioso
Ø  Manso
Ø  Humilde
Ø  Bom ouvinte de conselhos
Ø  Comedido no falar

O Primeiro mandamento com promessa, diz : “Honra a teu pai e a tua mãe, para que se prolonguem os teus dias na terra que o SENHOR teu Deus te dá” Ex 20.12

Saindo sem pensar, Vivendo sem viver
e Voltando pra Casa !

Vivendo sem Viver !

Vers. 14 E, havendo ele gastado tudo, houve naquela terra uma grande fome, e começou a padecer necessidades.

Vers. 15 E foi, e chegou-se a um dos cidadãos daquela terra, o qual o mandou para os seus campos, a apascentar porcos.

Vers. 16 E desejava encher o seu estômago com as bolotas que os porcos comiam, e ninguém lhe dava nada.

Porque o salário do pecado é a morte, mas o dom gratuito de Deus é a vida eterna, por Cristo Jesus nosso Senhor”. Rm 06.23

Ø  Longe de Casa, a vida daquele moço tomou um rumo diferente

Ø  Longe de Casa, ele já não era alvo dos olhares do pai

Ø  Longe de Casa, ele passou a ser presa fácil para às propostas da vida

Ø  Longe de Casa, as más companhias puderam agir de forma mais intensa

Ø  Longe de Casa, a sua vulnerabilidade aumentou, e a sua imunidade ao fracasso se fragilizou

Faltava-lhe agora :

Ø  Os bons conselhos de um experiente pai
Ø  Os valiosos cuidados de sua querida mãe
Ø  A proteção que a sua casa lhe proporcionava

Agora, o moço outrora rico, estava vivendo sem viver !

Voltando pra Casa !

Vers. 17  E, tornando em si, disse: Quantos jornaleiros de meu pai têm abundância de pão, e eu aqui pereço de fome!

Vers. 18 Levantar-me-ei, e irei ter com meu pai, e dir-lhe-ei: Pai, pequei contra o céu e perante ti;

Vers. 19 Já não sou digno de ser chamado teu filho; faze-me como um dos teus jornaleiros.

Vers. 20 E, levantando-se, foi para seu pai; e, quando ainda estava longe, viu-o seu pai, e se moveu de íntima compaixão e, correndo, lançou-se-lhe ao pescoço e o beijou.

Vers. 21 E o filho lhe disse: Pai, pequei contra o céu e perante ti, e já não sou digno de ser chamado teu filho.

Vers. 22 Mas o pai disse aos seus servos: Trazei depressa a melhor roupa; e vesti-lho, e ponde-lhe um anel na mão, e alparcas nos pés;

Melhor roupa :

Ø  O arrependimento gera mudança de vida e aparência nova
Ø  Anel, sinal de um novo pacto, uma nova aliança
Ø  Alparcas, sinal de um novo caminhar com o pai, novos desafios

Vers. 23 E trazei o bezerro cevado, e matai-o; e comamos, e alegremo-nos;

Vers. 24 Porque este meu filho estava morto, e reviveu, tinha-se perdido, e foi achado. E começaram a alegrar-se.

Vers. 25 E o seu filho mais velho estava no campo; e quando veio, e chegou perto de casa, ouviu a música e as danças.

Vers. 26 E, chamando um dos servos, perguntou-lhe que era aquilo.

Vers. 27 E ele lhe disse: Veio teu irmão; e teu pai matou o bezerro cevado, porque o recebeu são e salvo.

Vers. 28 Mas ele se indignou, e não queria entrar. E saindo o pai, instava com ele.

Vers 29 Mas, respondendo ele, disse ao pai: Eis que te sirvo há tantos anos, sem nunca transgredir o teu mandamento, e nunca me deste um cabrito para alegrar-me com os meus amigos;

Vers. 30 Vindo, porém, este teu filho, que desperdiçou os teus bens com as meretrizes, mataste-lhe o bezerro cevado.

Vers. 31 E ele lhe disse: Filho, tu sempre estás comigo, e todas as minhas coisas são tuas;

Vers. 32 Mas era justo alegrarmo-nos e folgarmos, porque este teu irmão estava morto, e reviveu; e tinha-se perdido, e foi achado.

Este teu irmão ! - O pai deixou claro, que :

Ø O filho não perdeu esse status porque desobedeceu e se foi
Ø Eles continuavam sendo irmãos como antes, o que não era admitido pelo filho mais velho
Ø Era justo fazer uma festa por um filho que se havia perdido, e foi achado

Saindo sem pensar, Vivendo sem viver
e Voltando pra Casa !

Petrolina, 19.05.2013 (Pr Eduardo Silva)

Nenhum comentário: