sábado, 15 de janeiro de 2011

Catástrofes marcam o inicio de 2011 no Brasil. Sinal dos Tempos !



































"De que se queixa, pois, o homem vivente ? Queixe-se cada um dos seus pecados. Lm 03.39"

Em 2010 Andra dos Reis no estado do Rio de Janeiro, viveu um verdadeiro drama, com desmoronamentos que vitimaram centenas de pessôas.

Agora outras cidades do mesmo estado são atingidas por enchentes e chuvas torrenciais que destruiram em grandes proporções, estruturas até então fortes - casas, apartamentos, propriedades, vias e logradouros públicos, estradas, escolas, hospitais, matando mais de 500 pessoas impiedosamente, conforme a reportagem abaixo tão bem nos mostra, inclusive com fotos muito chocantes no cabeçalho, a imagem da própria destruição.

As perguntas que nos fazemos, e que não querem calar, são : "Onde estão os nosos governantes, o que eles tem feito no sentido de, se não evitar, minimizar tanta incidência nos mesmos problemas seguidamente, porque autorizam se construir nas encostas dos morros, em locais que não deveriam ser permitidos, por que não se criam mecanismos para que a população de baixa renda, tenha acesso a moradia digna" ?

Em momentos assim as autoridades aparecem, falam, tentam se explicar, fazem o jogo do empurra e ninguém assume a culpa. A gente ve os especialistas falando, mostrando seus pontos de vistas sob a ótica técnica, etc, mas, melhor seria que tudo houvesse sido evitado em tempo, afinal, foram vidas humanas que sucumbiram no mar de irresponsabilidades de muitos, familias dizimadas, sonhos frustrados. Quem paga por isso, quem devolverá as vidas ceifadas, quem ?

Como igreja do Senhor Jesus, oremos por nossos dirigentes; precisam muito de oração e de fiscalização e cobrança forte tambem. A nossa sociedade é muito quieta, demasiadamente ordeira, covarde até. Aceita tudo passivamente dos escândalos à má administração da coisa pública, o que não acontece com essa frequência num país de primeiro mundo, por que lá as pessôas são informadas dos seus direitos, conhecem as leis, se mobilizam, agem, cobram dos seus mandatários e até votam a perda do seu mandado se for preciso. Coisas das leis de países mais sérios que o nosso, infelizmente.

Oremos pelas famílias enlutadas e pela enxurrada de grana (dinheirama) que já está sendo liberada, sabe lá Deus com que finalidade mesmo. Situações assim sempre fazem a festa de muitos políticos corruptos. Não estou falando nada novo nem desconhecido do povo brasileiro. Para essa gente suja e sórdida, quanto pior, melhor, quanto mais desgraça, mais dinheiro é liberado e mais enriquecimento ilícito é alimentado para a nossa tristeza, vergonha e decepção.

(Pastor EDUARDO SILVA)

________________________________________________


(O TEXTO ABAIXO É UM ARTIGO JORNALÍSTICO TRANSCRITO NA SUA ÍNTEGRA EM 18.01.2011, às 23:34, do site Folha Online : www.folha.uol.com.br)

Promotoria registra 207 desaparecidos no RJ após chuva; região serrana tem 710 mortos

O Programa de Identificação de Vítimas (PIV), do Ministério Público do Rio, registra 207 pessoas desaparecidas na região serrana do Estado desde a chuva da semana
passada.

As informações dadas por parentes e amigos são checadas com dados de hospitais e do IML (Instituto Médico Legal).

Segundo balanço desta terça-feira - ainda sem dados de Petrópolis, o PIV registra 95 desaparecimentos em Teresópolis, 82 em Nova Friburgo, um em Cordeiro, um em São José do Vale do Rio Preto, três em Bom Jardim e 25 em localidades não informadas.

A lista é frequentemente atualizada e pode ser consultada no site do Ministério Público. Quem quem quiser registrar desaparecimento de algum parente ou conhecido pode ligar para o número 0/xx/21/2283-6466, das 8h às 18h.

MORTES

O número de mortos em consequência do temporal da semana passada chega a 710, segundo último balanço divulgado pela Secretaria de Estado de Saúde e Defesa Civil.

De acordo com os dados, são 335 vítimas em Nova Friburgo, 292 em Teresópolis, 62 em Petrópolis e 21 em Sumidouro.

CHUVA

A chuva forte que atingiu a região serrana voltou a assustar moradores nesta terça. Uma semana depois da tragédia causada pelo temporal o cenário ainda é de guerra em boa parte das áreas afetadas. As cidades, porém, vão se organizando diante da nova realidade. A avaliação é do chefe do Estado Maior e subcomandante do Corpo de Bombeiros, coronel José Paulo Miranda, que acompanha os trabalhos de buscas, resgate e salvamento das vítimas dos deslizamentos.

Ele afirma que, quando as primeiras equipes iniciaram o socorro, não se tinha a dimensão exata dos estragos. Ele diz acreditar que as horas iniciais dos resgates --quando ainda se tem esperança de encontrar vítimas com vida-- foram as mais difíceis.

"O primeiro momento sempre é mais difícil porque não tínhamos ideia do que realmente tinha acontecido. O acesso aos locais de deslizamento era muito difícil, o tempo, ainda chuvoso, também complicou. Mas estamos avançando e diante da dimensão do desastre, a resposta tem sido extremamente positiva", avaliou.

No domingo (16), o governador do Rio decretou estado de calamidade pública nos municípios de Nova Friburgo, Teresópolis, Petrópolis, Bom Jardim, São José do Vale do Rio Preto, Sumidouro e Areal. Na segunda, ele anunciou a criação do Gabinete Executivo de Reconstrução da Região Serrana, que será chefiado pelo prefeito de Bom Jardim, Affonso Monnerat.

A prefeitura de Teresópolis desapropriou uma fazenda na área urbana da cidade para construção de casas para desabrigados. Serão construídas, em caráter de emergência, 500 unidades habitacionais no local.

Para ajudar na divulgação de informações sobre desaparecidos, Nova Friburgo deve colocar em funcionamento a partir de hoje uma central telefônica gratuita. O número 0800-0221011 deve começar a funcionar até o final do dia.

Pais com crianças desaparecidas após as chuvas na região serrana do Rio temem que os filhos possam ter sido entregues ilegalmente para outras famílias.

CRÉDITO

O ministro da integração nacional, Fernando Bezerra, anunciou na tarde desta terça-feira em Nova Friburgo a criação de uma linha de crédito facilitada para que a indústria e o comércio da região serrana do Rio se recuperem. A região foi devastada pela chuva da semana passada.

A proposta, que deve ser anunciada oficialmente na quinta-feira, é de uma linha de financiamento com dois a quatro anos de carência, juros baixos e com prazo de pagamento de até dez anos. O objetivo é dar capital de giro ao comércio e reconstruir a infraestrutura.

A cidade de Nova Friburgo é um dos principais polos de produção de moda íntima do país, além de forte atuação no setor metal e mecânico e importante ponto turístico.

O anúncio foi feito depois de o ministro reunir-se na Prefeitura de Nova Friburgo com o governador Sérgio Cabral (PMDB), o ministro da Defesa, Nelson Jobim, o ministra da Justiça, José Eduardo Cardozo, além de autoridades estaduais e municipais.

Nenhum comentário: